Postado em 04 de Maio de 2018 às 18h36

Maio Amarelo: Bebida Alcoólica vs. Trânsito

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – Os portões pareciam rampas entre o muro e o chão. Os vidros estilhaçados e as cadeiras verdes jogadas e tortas já indicavam que algo tinha acontecido naquele local. O...

Chapecó – Os portões pareciam rampas entre o muro e o chão. Os vidros estilhaçados e as cadeiras verdes jogadas e tortas já indicavam que algo tinha acontecido naquele local. O quadro azul na parede cheio de desenhos, as bonecas e carrinhos distribuídos por toda a sala e os cadernos debaixo dos pneus apontavam que aquele ambiente era frequentado por crianças.

Era uma terça-feira por volta das 16h30 quando um homem de 53 anos, com uma Montana preta, perdeu o controle do carro e invadiu uma creche. Vinte e quatro crianças acompanhadas por uma professora estavam no Centro de Educação Infantil Municipal Pequenos Heróis, no bairro Efapi em Chapecó. Seis alunos, entre quatro e seis anos, tiveram ferimentos leves e outros dois foram internados em estado grave no Hospital Regional do Oeste (HRO).

Embriagado, o motorista foi preso em flagrante. Este é um exemplo entre os casos de acidentes que ocorreram por imprudência. Em 2015 o Ministério da Saúde (MS) registrou 38.651 mortes, já em 2016 foram registradas 34.850 mortes. Mesmo que este índice tenha reduzido de um ano para o outro, entre 2015 e 2016, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil ainda é o quinto país com o trânsito mais violento do mundo. Cerca de 105 pessoas morrem por dia e anualmente totaliza em média 38 mil mortes causadas por acidentes de trânsito. No ano passado, segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), 38.800 motoristas foram flagrados dirigindo embriagado.

Joelma de Paula, a professora que estava na sala com as crianças no dia do acidente, contou que teve alguns ferimentos leves e uma luxação. Entretanto, neste caso, o susto deixou rastros maiores. Ela ainda explicou o quão necessário foi a participação da comunidade para orientar as crianças, que estavam com medo de voltar para a creche. As pessoas recebem orientações, estão cansadas de saber que álcool e volante não são combinações boas, concluiu.

A professora tem razão, assumir a direção do veículo após consumir bebida alcoólica não é o ideal, tanto que é considerado um crime de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, mas que deve ser analisado não devido as punições financeiras, e sim da perspectiva de que a embriaguez é um risco de vida para o motorista e, principalmente para a população que está vulnerável aos atos imprudentes. De acordo com as pesquisas do médico psiquiatra Dr. Danilo Antônio Baltieri, o álcool é responsável por problemas psíquicos e altera o comportamento dos consumidores. A mais frequente é a intoxicação alcoólica, ou seja, é o transtorno mental que ocorre por consequência da embriaguez, ocorre durante e após o consumo de álcool. Segundo o estudo, a fala arrastada, falta de atenção, falta de coordenação motora, movimento anormal dos olhos e a instabilidade nos movimentos da perna ao caminhar são sintomas da intoxicação.

Ainda um artigo publicado pelo Dr. Drauzio Varella, ressalta que o efeito de uma cerveja consumida por uma mulher equivale ao de duas consumidas por um homem. Portanto, há a necessidade de controlar a quantidade de bebidas alcoólicas consumidas para não ter grandes consequências físicas e principalmente psíquicas, o cuidado deve ser dobrado para as mulheres quando o assunto é garantir a sua própria saúde, já que o organismo do homem e o da mulher reagem de formas diferentes as substâncias químicas. Além disso, ter a consciência que para o bem coletivo após o consumo de bebida alcoólica é proibido dirigir.

O mandato do vereador Cleiton Fossá conversou com 10 crianças entre sete a 10 anos, cinco crianças relataram que os pais já orientaram que é proibido consumir bebida alcoólica e em seguida dirigir. Entretanto, as crianças também frisaram que em algum momento os seus responsáveis descumpriram as próprias orientações. Três crianças disseram que nunca viram o pai ou a mãe dirigir sob efeito de álcool. Uma criança relatou que só recebeu estas informações sobre o trânsito na escola e que ainda não debateu o assunto com a família.

Já a Ana Clara, de 10 anos, frisou que já estudou sobre drogas lícitas e ilícitas, já recebeu orientações dos pais e o seu pai tentou dirigir após beber na casa de alguns amigos da família. Ele bebeu pouco naquele dia, mas quando ele foi em direção a porta do motorista falei pra ele pai, você não pode dirigir. Deixa que hoje a mãe dirige. Não sei se ele me testou ou se realmente tinha esquecido, mas não tivemos problemas, a mãe pegou a chave do carro e foi dirigindo até em casa.

Nem todas as pessoas escutam as crianças, como fizeram os pais de Ana Clara. Inclusive, de acordo com Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), 90% dos acidentes são causados por falha humana, falta de responsabilidade para com a população no trânsito. Então as punições foram criadas justamente para os motoristas que não se esforçam para conviver em sociedade. A legislação penalizava com detenção entre seis meses a dois anos para quem dirigisse alcoolizado. A nova Lei 13.546 altera dispositivos da Lei 9.503. A nova regra aumenta a pena para os condutores que causarem lesão corporal grave e gravíssima, ou ainda provocarem homicídio sob efeito de qualquer substância psicoativa. O motorista será punido com reclusão de dois a cinco anos.

As punições mais rigorosas apenas contribuem, mas não dão fim a prática delituosa. Além da pena, a educação de forma permanente é fundamental para um trânsito mais humano. As pessoas precisam se reeducar e chamar atenção de todos os condutores que dirigem após consumir o álcool, essas ações estão além de uma punição, elas causam riscos tanto para a vida do motorista quanto para nossas crianças, familiares, amigos, ou seja, a sociedade no contexto geral, ressalta Cleiton Fossá.

 

Alessandra Favretto, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Veja também

Projeto quer acabar com parentes comissionados19/04/16 Chapecó - O vereador Cleiton Fossá protocolou na Câmara de Chapecó um projeto de lei que proíbe que parentes de agentes políticos do poder executivo municipal sejam nomeados em cargo de comissão ou de confiança no poder legislativo de Chapecó, e proíbe que parentes de vereadores sejam nomeados em cargo de comissão ou de confiança na prefeitura de Chapecó. Conforme Fossá, o projeto de lei visa evitar que parentes......
Projeto que regulamenta feiras livres de agricultores vai à votação23/08/18 Chapecó – A Câmara de Vereadores de Chapecó vota nesta quinta-feira, dia 23, o Projeto de Lei 97/2018, que trata sobre a regulação de Feiras Livres de Agricultores em Chapecó. A iniciativa é uma......

Voltar para NOTÍCIAS