Postado em 23 de Abril de 2018 às 13h38

Agricultura Familiar: geração de riquezas econômicas e sociais

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – A agricultura da região Oeste se constitui em um dos mais importantes segmentos de nossa economia. Por sua vez, conforme apontam os dados censitários do IBGE, os empreendimentos...

Chapecó – A agricultura da região Oeste se constitui em um dos mais importantes segmentos de nossa economia. Por sua vez, conforme apontam os dados censitários do IBGE, os empreendimentos familiares correspondem a 89,5% do total de propriedades. Em números absolutos, das 82.140 propriedades, 73.476 são enquadradas como unidades familiares. Em relação à área, as propriedades familiares representam 57,8% do total e possuem em média 16,10 hectares.

Já em Chapecó, famílias que moram na zona rural são 3.913, agregando 15.417 pessoas. Essa presença expressiva é resultado da colonização ocorrida nas primeiras décadas do século XX, principalmente por imigrantes, descendentes de europeus, oriundos do Rio Grande do Sul. Além desses, grupos minoritários como caboclos e indígenas já estavam na região Oeste, pertencentes ao amplo contingente de agricultores familiares.

Na esfera legal e institucional a Lei 11.326/2006 estabelece as diretrizes para definição da categoria da agricultura familiar. Entre as principais características estão: I) condução do trabalho e da gestão da propriedade pela família; II) propriedades rurais com tamanho máximo de quatro módulos fiscais; III) maior parte dos rendimentos advindos das atividades rurais.

As políticas públicas específicas para agricultura familiar se estabeleceram no país a partir da metade da década de 1990 com o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A partir do Pronaf a região Oeste se coloca como principal contratante de financiamentos do estado de Santa Catarina. O significativo acesso aos recursos demonstra a capacidade produtiva, principalmente a integração à agroindústria, e a organização social dos nossos agricultores familiares.

A produção de origem animal é o carro-chefe de nossa agricultura familiar, colocando a região Oeste como a principal produtora do Estado. Exemplos dessa capacidade não faltam, especialmente, em relação à carne de frango, carne suína e a produção de leite. Os relatórios da Centro de Socieconomia e Planejamento Agrícola (CEPA/Epagri) apontam que no ano agrícola 2016-2017, 78% da produção de frango e 78,7% da produção de suíno de Santa Catarina foram produzidos na região Oeste. A região se coloca como uma das principais produtoras do Brasil e exporta para inúmeros países.

Entretanto, outras atividades produtivas se destacam na nossa região, como a produção de embutidos, frutas, mandioca, leite entre outras. A produção de leite, ao mesmo tempo que, representa significativa renda mensal ao agricultor também é uma atividade econômica importante, representa 75,1% da produção do estado com 2,3 milhões de litros em 2015.

Para além dos resultados econômicos, a agricultura familiar assume importantes contribuições sociais para o conjunto da sociedade. A primeira delas é a geração de trabalho, pois de acordo com o censo demográfico de 2010, a população rural da região Oeste era de 340.149 habitantes, ou seja, significativa parcela desse conjunto populacional se vincula às atividades laborais na agricultura familiar.

A segunda contribuição é dada pela multifuncionalidade da agricultura familiar que em síntese significa a reprodução socioeconômica das famílias rurais; promoção da segurança alimentar das próprias famílias; manutenção do tecido social e cultural; preservação dos recursos naturais e da paisagem rural. Já a terceira contribuição é a produção de alimentos, pois, segundo os dados do IBGE a agricultura familiar é responsável por 70% da produção nacional de alimentos. Essa condição assume papel fundamental para soberania e segurança alimentar.

Apesar dessa significativa contribuição, a agricultura familiar precisa ser mais valorizada em aspectos de várias ordens: I) fortalecimento dos conselhos municipais de desenvolvimento rural; II) melhorias das estradas de acesso às propriedades rurais; III) ampliação e reestruturação das feiras de produtos coloniais; IV) ampliação das compras diretas da agricultura familiar para merenda escolar; V) melhorias estruturais nas comunidades rurais.

 

Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá e Juliano Luiz Fossá, doutorando em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Veja também

Fossá faz visitas e ouve lideranças24/07/14 Chapecó - O vereador Cleiton Fossá tem aproveitado o mês de julho, que é de recesso parlamentar, para realizar visita à lideranças comunitárias em alguns bairros de Chapecó. O parlamentar explica que no período de recesso não são realizadas sessões na Câmara, porém, as atividades não param. 'Sem as sessões, resolvi estender as reuniões com algumas lideranças', diz. As reuniões, explica Fossá, são para......
Mudanças que podem ocorrer na Mobilidade Urbana de Chapecó05/12/19 Mobilidade Urbana no Brasil         A mobilidade urbana está vinculada ao deslocamento das pessoas em uma cidade e a discussão sobre esse tema abrange várias questões, como o desenvolvimento,......
Chapecó precisa com urgência de ciclovias12/06/18           Um tema bastante comentado em Chapecó e que está presente nos debates sobre a Mobilidade Urbana no País é a construção de ciclovias. Praticar ciclismo se tornou muito mais do que......

Voltar para NOTÍCIAS