Postado em 27 de Março de 2020 às 11h04

Câmara Federal aprova renda básica emergencial

Cleiton Fossá | Vereador        Os Deputados Federais aprovaram em votação virtual do Plenário nesta quinta-feira (26), o pagamento de um auxílio emergencial por três meses, no valor de R$...

       Os Deputados Federais aprovaram em votação virtual do Plenário nesta quinta-feira (26), o pagamento de um auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600, a pessoas de baixa renda. O valor pode chegar a R$ 1,2 mil por família e p/ mães solteiras.

       De acordo com o texto, que segue agora para o Senado, o benefício abrange trabalhadores informais, autônomos, desempregados, MEI, inscritos no Cadastro Geral que têm renda mensal até R$ 3 mil ou ½ salário por membro da família.

       Inicialmente o valor apresentado era de R$ 500,00, após negociações, chegaram ao valor final que está proposto. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, apresentou uma estimativa que essa medida vai impactar em R$ 14,4 bilhões e pode servir para atenuar o crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus.

       Para ter acesso ao auxílio, a pessoa deve cumprir, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

  • ser maior de 18 anos de idade;
  • não ter emprego formal;
  • não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00); e não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.


       A pessoa candidata deverá ainda cumprir uma dessas condições:

  • exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);
  • ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);
  • ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico); ou ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.
  • Será permitido duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios, como exemplo o Bolsafamilia e o auxílio emergencial.
  • A renda média será verificada por meio do CadÚnico para os inscritos e, para os não inscritos, com autodeclaração em plataforma digital.


       Idosos e pessoas com deficiência que solicitar receber o Benefício de Prestação Continuada (BPC), de um salário mínimo mensal (R$ 1.045), o INSS poderá antecipar o pagamento de R$ 500,00 (valor do auxílio emergencial). Mas, será necessário avaliar o grau de impedimento no qual se baseia o pedido ou seja concedido o benefício.

       Para o recebimento do auxílio emergencial, o candidato poderá receber através dos bancos públicos federais por meio de uma conta do tipo poupança social digital. A conta poderá ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais como PIS/Pasep e FGTS.

      Se aprovado pelo Senado e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, o auxílio emergencial poderá chegar a 100 milhões de brasileiros, entre eles, 77 milhões de pessoas de baixa renda, já cadastradas no programa do Governo Federal de auxílio social

 

 

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Texto: Assessoria de Comunicação Vereador Cleiton Fossá

Veja também

Comissão de Segurança Pública recebe informações21/11/13 Chapecó - A Comissão de Segurança Pública e Cidadania da Câmara de Vereadores de Chapecó esteve reunida hoje à tarde pela segunda oportunidade, para debater assuntos relacionados à segurança pública do município. O presidente da Comissão, vereador Cleiton Fossá, e os vereadores Neuri Mantelli, vice-presidente; e Mario Tomasi,......
O impacto da quarentena na saúde mental de jovens e adolescentes05/05/20 Dois estudos internacionais, das organizações Shout e YoungMinds apresentam dados que confirmam que o surgimento do novo coronavírus tem afetado a saúde mental de adolescentes e jovens que já apresentavam problemas antes da......

Voltar para NOTÍCIAS