Postado em 05 de Julho de 2018 às 11h56

Cleiton Fossá pede avanços no saneamento básico

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – A importância do saneamento básico para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos foi abordada pelo vereador Cleiton Fossá, em uma transmissão ao...

Chapecó – A importância do saneamento básico para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos foi abordada pelo vereador Cleiton Fossá, em uma transmissão ao vivo, através de suas redes sociais, neste quarta-feira, dia 4. O saneamento básico engloba quatro principais serviços públicos: abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto, manejo de resíduos sólidos e drenagem das águas pluviais. A Lei Federal 11.445/2007 regulamentou o assunto no Brasil e trouxe a necessidades das cidades desenvolverem e aplicarem um Plano Municipal de Saneamento.

O Plano traz as diretrizes para prestação de serviços públicos na área. Em Santa Catarina, 253 dos 295 municípios já fizeram o Plano Municipal de Saneamento, o que corresponde a 86%. Em Chapecó, o documento foi aprovado em 2015 pela Câmara de Vereadores, mas não traz metas, nem estipula objetivos. “O documento de Chapecó é um mero plágio de outros municípios: não está alinhado com a nossa realidade. Por isso, na ocasião, votei contra o Plano”. Cleiton Fossá defende que um estudo local seja realizado e o Plano seja revisto, para atender a realidade da população.

Quando pensamos em desenvolvimento sustentável, seja do planeta, do Brasil ou de nossa cidade, é impossível não discutir gestão sustentável da água e do saneamento básico para todos. A questão é muito importante, sendo discutida internacionalmente. A Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) traz 17 metas globais para o desenvolvimento sustentável, sendo que a meta número 6 trata especificamente sobre o abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto, com o objetivo de assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento até 2030.

Para Cleiton Fossá, não adianta planejar Chapecó para os próximos 100 anos sem levar em conta o saneamento básico. O vereador cita, por exemplo, que muitos bairros ainda sofrem problemas de abastecimento de água; somente 42% da área urbana tem coleta e tratamento de esgoto; o manejo de resíduos sólidos ocorre de forma parcial e pouco abrangente; e diversos pontos da cidade sofrem com alagamentos. “Os gestores públicos não podem empurrar com a barriga questões que são tão importantes para Chapecó, pois saneamento básico é fator importante para a saúde pública”, diz.

Água

O índice de cobertura de abastecimento de água na área urbana de Chapecó é de 94,3%, com 38.202 ligações residenciais, comerciais e industriais existentes. A Estação de Tratamento de Água (ETA) de Chapecó tem capacidade de tratar 560 litros por segundo. Porém, a estimativa é que 50% da água é perdida na distribuição, pois a rede é antiga e possui muitos furos. Para Cleiton Fossá é necessário que seja realizado um estudo técnicos para viabilizar a troca da tubulação, evitando, deste modo, o desperdício e proporcionando que mais água chegue às torneiras dos cidadãos chapecoenses.

Esgoto

A coleta e tratamento de esgoto em Chapecó atinge 42% da área urbana, ou cerca de 80 mil pessoas. Até o fim do ano, com a conclusão da obra de ampliação no bairro Efapi, a expectativa é chegar a 48%, beneficiando mais 10 mil pessoas. Atualmente, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) recebe 11 milhões de litros de esgoto por dia e tem capacidade de processar 130 litros por segundo, sendo que 80% volta para a natureza e os outros 20% são descartados para o aterro sanitário. “Esse processo diminui a incidência de doenças e ajuda a proteger os nossos mananciais e rios”, comenta.

Lixo

Em agosto de 2013, Chapecó passou a contar com um novo sistema de coleta de lixo na área central da cidade, sendo o serviço ampliado em 2016 para os bairros Maria Goretti, Presidente Médici, Santa Maria, Jardim Itália, São Cristóvão, Palmital e Líder. Hoje, são cerca de 650 contêineres para coleta de resíduos orgânicos e outros 650 para os resíduos recicláveis. O serviço contempla 51% da área urbana. “Com a desculpa de um novo sistema, a prefeitura aumentou o valor da taxa de coleta. Passaram cinco anos e só metade da cidade é servida, mas todos pagam. Isso é um absurdo”, fala.

Drenagem

Especialmente durante o período de verão, quando há chuva intensa e concentrada, os alagamentos ocorrem em diversos pontos de Chapecó. A administração municipal promete um projeto de macro e micro drenagem desde 2012, com a construção de bacias de contenção, que deve resolver em mais de 70% o problema. A área urbana é banhada pelos Lajeados Santa Maria, Passo dos Índios, Passo dos Fortes e Sanga Bela Vista. “Este projeto foi promessa de campanha em 2012 e 2016, mas ainda não saiu do papel. A prefeitura precisa dar resposta, pois muitas pessoas serão beneficiadas”, finaliza.

 

Bruno Pace Dori, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Veja também

CEIM Pequenos heróis: momento de união e solidariedade26/04/18 Chapecó – Na terça-feira, 24, um homem de 53 anos, com uma Montana, invadiu o Centro de Educação Infantil Municipal (CEIM) Pequenos Heróis, no loteamento Colatto, bairro Efapi. Vinte e quatro crianças, entre quatro e cinco anos, e uma professora estavam na sala que foi invadida pelo veículo. “Na hora do acidente eu estava com as crianças. Levantei e......
Cleiton Fossá propõe mudanças na Educação de Chapecó10/05/18 Chapecó – Nesta quarta-feira, dia 9, o vereador Cleiton Fossá fez uma transmissão ao vivo, por meio das redes sociais, e ressaltou a educação como um dos direitos que, segundo o 6º artigo da......
Posto de Saúde do Esplanada ainda não está pronto19/06/20 Nos últimos dias do mês de julho de 2014, às obras do Posto de Saúde do Esplanada iniciaram. Um investimento de milhões de reais que beneficiaria milhares de pessoas de Chapecó e Região. Contudo, nestes......

Voltar para NOTÍCIAS