Postado em 27 de Março de 2018 às 17h44

Educação, nosso direito

Cleiton Fossá | Vereador Chapecó – “Eu morreria feliz se eu visse o Brasil cheio em seu tempo histórico de marchas. Marcha dos que não tem escola”, Paulo Freire. O patrono da educação...

Chapecó – “Eu morreria feliz se eu visse o Brasil cheio em seu tempo histórico de marchas. Marcha dos que não tem escola”, Paulo Freire. O patrono da educação ressaltou a luta constante dos brasileiros por direitos que deveriam ser garantidos pelo Estado. O Brasil possui quase 2,5 milhões de crianças e adolescentes fora das escolas. O estudo foi realizado pela organização sem fins lucrativos Todos Pela Educação, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD).

O artigo 6º da Constituição Federal elenca a educação como direito social, portanto, o Estado precisa garantir a educação formal, aquela que consiste em uma programação de estudos de diversas áreas do conhecimento e que promova a interação social. Crianças e adolescentes, entre quatro aos 17 anos de idade, devem ter acesso ao ensino fundamental obrigatório e gratuito.

O ensino nas escolas é ministrado como uma base para o projeto de vida das pessoas. A liberdade de expressão, a igualdade e a partilha de conhecimento são essenciais nos projetos pedagógicos. Entretanto, não é somente responsabilidade dos educadores ensinar valores para que crianças e adolescentes cultivem respeito às opiniões de seus colegas e professores, à diversidade e ao espaço e vontade de aprender do outro.

“A família é um sustentáculo fundamental na sociedade para a formação do ser humano e tem papel primordial na sua educação. É nessa rede de pessoas e instituições enlaçadas afetivamente que podem ser encontrado os meios possíveis para a construção de valores éticos e morais para preparar a criança para o presente e o futuro. É papel parental educar para e sobre as adversidades da vida e de como enfrentá-las, assim como as frustrações e decepções. O educar por meio do convívio familiar significa mobilizar recursos, por intermédio de exemplos, diálogos, responsabilidades, limites e respeito por meio de, principalmente, uma convivência fraterna e alicerçada na consciência do nosso cargo, o de pai, mãe ou responsável e não delegar a educação somente a terceiros”, frisa a psicóloga Kika Schizzi Tiepo.

O diálogo entre escola e família é fundamental. O processo da construção do conhecimento exige o trabalho em conjunto. A escola não pode jogar a responsabilidade de um mau comportamento e dificuldade de aprendizado para os pais. Nem o inverso, a escola também não deve trabalhar sozinha na educação de jovens e crianças. É necessário analisar que ambos têm o papel de transformar, de conduzir filhos e alunos para a cidadania do respeito, da responsabilidade, da liberdade, da escolha, do cumprimento às regras sociais e o efetivo exercício da cidadania.

“Percebemos que muitas coisas que antes eram tratadas em casa estão sendo pouco trabalhadas, talvez por falta de tempo das famílias. A escola trabalha com o conhecimento científico, mas deve complementar valores e lapidar o respeito, as diferenças e os ambientes que os alunos estão inseridos. Trabalhamos assuntos que são essenciais para o convívio, como a violência, o disque denúncia e outros temas”, ressaltou uma educadora que prefere não ser identificada.

Nesse sentido, o legislativo municipal chapecoense aprovou o Plano Municipal de Educação em 2015, o qual o assumiu, entre outros: o compromisso de erradicação do analfabetismo; a universalização do atendimento escolar; a melhoria da qualidade da educação; a superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da cidadania e na erradicação de todas as formas de discriminação e a valorização dos profissionais da educação. Leia o texto completo da Lei 6.740.

Chapecó possui 84 escolas de ensino fundamental e 30 no ensino médio. De acordo com os dados de 2010 divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE), 98,4% das crianças e dos jovens, entre 6 a 14 anos, frequentam as escolas no município. As matrículas no ensino fundamental chegam 25.492 e no ensino médio 7.328.

“A gestão do município de Chapecó precisa parar de fazer planos emergenciais para a educação, sempre com conotação eleitoreira com a contratação emergencial e temporária todo ano. É urgente que Chapecó tenha um planejamento para curto, médio e longo prazo, com ações efetivas visando o ingresso e permanência do estudante, que valorize os professores, que dê condições de infraestrutura”, frisa o vereador Cleiton Fossá.

Necessário que se estabeleça uma rede positiva em favor das crianças e dos jovens de Chapecó. Que estejam aliados pais, professores, governo municipal, bem como todos os instrumentos públicos que podem contribuir com o conhecimento e a formação ética e moral dos nossos filhos e alunos. A educação transforma!

 

Alessandra Favretto, Assessoria de Comunicação Cleiton Fossá

Veja também

Valorizar as carreiras policiais é defender a Segurança Pública05/02/20         O mandato sempre se posicionou em favor da valorização e do fortalecimento da Segurança Pública e, isso está intrinsecamente relacionado com as carreiras Policiais, independente da farda (PM, PC, IGP ou DEAP), Policiais são Policiais!         Historicamente, as carreiras da Segurança Pública de SC foram......

Voltar para NOTÍCIAS